23/10/2015 
35


"Dança da Escola no Calçadão” extrapola os muros das unidades de ensino e leva alegria, arte e reflexão para as ruas

Quem passou pelo Calçadão da Rua Halfeld na manhã desta sexta-feira, 23, foi surpreendido por uma intervenção artística inusitada. Mais de 200 alunos de dez escolas da rede municipal de ensino apresentaram números temáticos de dança preparados para a quarta edição da atividade “Dança da Escola no Calçadão”. A proposta, que movimentou o espaço urbano, integrou a programação da 7ª Mostra Estudantil de Arte, que teve início nesta quinta-feira, 22, realizada pela Secretaria de Educação (SE) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF). A intervenção foi incentivada e organizada pelo Departamento de Planejamento Pedagógico e de Formação (DPPF), junto às unidades de ensino, que desenvolveram danças contemporâneas com os estudantes. Este ano foi sugerido aos professores que, junto com os alunos, levassem para a rua aquilo que eles entendessem como algo que interfere ou incomoda o cotidiano do centro urbano. “Foram pesquisados os movimentos cotidianos que podiam se transformar em dança. Os alunos é que determinaram o movimento, sob a orientação dos professores”, explicou a chefe do DPPF, Iêda Loureiro. A partir daí, objetos ganharam movimentação poética e foram incluídos para compor os movimentos, surgindo as diversas formas de expressão corporal. Herbert Hischter, professor de dança da Escola Municipal (E.M.) União da Betânia, levou 24 alunos da escola para participarem da dança: “Nossa intervenção é para destacar as próprias mesas dos bares que temos no Calçadão, que, por vezes, atrapalham o fluxo de pessoas, principalmente no horário de pico. Toda a construção coreográfica e corporal faz parte desse contexto, dos frequentadores dos bares”. Monique Souza de Oliveira, professora de dança da escolas municipais “Jesus de Oliveira” e “Professora Núbia Pereira de Magalhães”, também levou os alunos a pesquisarem sobre o que pensavam de interferência no cotidiano do espaço urbano. Os estudantes da “Jesus de Oliveira” representaram as obras que atrapalham o fluxo de pessoas e que, por vezes, tem as marcações feitas por fitas. Utilizando a dança para expressar essas situações, as crianças faziam formas geométricas com o corpo e a fita. Já os alunos da E.M. “Núbia Pereira” levavam à conscientização, observando o cuidado que todos devem ter com o lixo dispensado de forma indevida. Os alunos se divertiam com o fato de se apropriarem de um novo espaço por meio da dança. Júlia Santos, aluna da E. M. “Dante Jaime Brochado”, observou positivamente a ação: “Está sendo muito bom participar. Eu já dancei outras vezes e no começo ficava com vergonha, mas agora não. Nossa escola apresentou uma proposta diferente: nós dançamos usando o celular, que não é comum”. A professora de dança da unidade, Michelle Netto Luiz, destacou que o objetivo foi “mostrar que o celular e a tecnologia também estão inseridos na dança, com a nossa movimentação cotidiana”. Bruno Bergo, funcionário de uma loja, contou que nunca havia se deparado com uma intervenção deste tipo: “Primeira vez que vejo uma apresentação assim, e foi muito bacana e divertida, principalmente com a interação dos alunos com os objetos cotidianos, como o saco de lixo e a sombrinha. A inclusão dos alunos deficientes também foi muito importante”, ressaltou. Fabiana Marques, operadora de máquina, que passava pelo local, parou para observar atentamente: “Todos estão de parabéns. O trabalho me chamou atenção e parei para olhar. Apoio este tipo de ação”. As escolas que participaram do evento foram: Centro de Educação de Jovens e Adultos “Dr. Geraldo Moutinho” – CEM (Centro); E.M. “Carlos Drummond de Andrade” (Nova Era); E.M. “Manuel Bandeira” (Nossa Senhora Aparecida); Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - Apae (Santa Terezinha); E.M. “Amélia Mascarenhas” (São Bernardo); E.M. “Antonino Lessa” (Santa Efigênia); E.M. “Jesus de Oliveira” (Ipiranga); E.M. “Professora Núbia Pereira de Magalhães” (Santa Cruz); E.M. “Dante Jaime Brochado” (Santo Antônio); E.M. União da Betânia (Granjas Betânia). * Informações com a Assessoria de Comunicação da SE, pelo telefone 3690-8497.


Postado em: 35 @ 18:50 hs                                                              Compartilhe esta notícia

 23/10/2015 
35


Alunos da E.M. Jesus de Oliveira ganham festa pelo “Mês das Crianças”

Na quarta-feira, 21, alunos do terceiro ao quinto ano do ensino fundamental, participantes do projeto “Mais Educação”, da Escola Municipal (E.M.) Jesus de Oliveira, do Bairro Ipiranga, foram contemplados com uma grande festa em comemoração ao “Mês das Crianças”. A comemoração aconteceu no Parque da Lajinha, escolhido pela organização do evento por ser um espaço onde os alunos poderiam ter contato com a natureza e com outra realidade socioeducativa, num clima de descontração e muita alegria. As professoras Denise Mara Rodrigues e Raquel Rinco Dutra Pereira, organizadoras da atividade, foram responsáveis pela realização de brincadeiras bem animadas com a turma da “Pepa Pig” e da “Galinha Pintadinha”. As animadoras de festas fizeram muitas atividades pedagógicas para descontrair os discentes. As crianças, em ritmo de muita música, apreciaram uma mesa farta, com diversas guloseimas, como algodão doce, picolé, pipoca, maçã do amor, salgadinhos, cachorro-quente, bolos e doces. Denise é responsável por trabalhar, na escola, as atividades de valorização, autoestima, reciclagem, artes, cultura e formação de hábitos, no projeto “Mais Educação”. Ela disse que pôde verificar que as atitudes de conscientização humana que vem ensinando em sala de aula foram muito bem desempenhadas pelos alunos durante a festa: “Os meninos foram educados, jogaram lixo no lugar certo, souberam compartilhar da mesa e de todas as atividades que foram realizadas. Os funcionários do parque elogiaram as atitudes dos alunos”. Raquel, que também é professora de informática na instituição, considerou que os alunos ficaram muito satisfeitos com a festa, já que os meninos afirmavam, com imensa satisfação, que não haviam participado de uma confraternização semelhante àquela: “O aluno David me emocionou, quando contou que nunca tinha tido uma festa tão linda na vida dele. Temos é vontade de fazer o bem e a alegria às crianças, percebendo que o trabalho está dando frutos e valendo a pena”. As professoras organizadoras agradeceram a direção da escola pelo apoio e pela confiança depositada à equipe do projeto “Mais Educação”, que trabalha com 60 crianças, de forma interdisciplinar, contando com a participação de oito professores. * Informações com a Assessoria de Imprensa da Secretaria de Educação pelo telefone 3690-8497.


Postado em: 35 @ 18:01 hs                                                              Compartilhe esta notícia

 23/10/2015 
35


Abertura das mostras de arte exibe talento e criatividade de professores e alunos da rede municipal

Na noite de quinta-feira, 22, no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM), foram abertas a “11ª Mostra Professor Também faz Arte” e a “7ª Mostra Estudantil de Arte”, promovidas pela Secretaria de Educação (SE) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), reunindo, em um só espaço, trabalhos artísticos de professores e alunos da rede municipal de ensino. A proposta das mostras é uma iniciativa do Departamento de Planejamento Pedagógico e de Formação (DPPF) e é um momento para revelar o perfil artístico de docentes e estudantes. A abertura contou com a presença da secretária de Educação, Denise Vieira Franco, e de demais integrantes da SE e convidados. Este ano, a “Mostra Estudantil de Arte” está reunindo mais de 3.380 alunos, tanto na produção dos trabalhos de artes visuais como na grande programação organizada para a próxima semana, entre segunda e quinta-feira, das 8 às 10 horas e das 14 às 16 horas, no Centro Cultural Pró-Música, que pode ser conferida no links. Serão apresentações de música, contação de histórias, exibição de vídeos e teatro. Já a “Mostra Professor Também faz Arte” conta com mais de 180 profissionais, provocados a construir uma docência mais inventiva e poética, entrelaçando arte e educação. A secretária de Educação destacou a importância do trabalho realizado em conjunto, para que a mostra fosse realizada: “Precisamos bater palmas para esses professores que, no dia a dia, constroem, com seus alunos, o desenvolvimento da cultura local, da cultura pessoal e essa relação pedagógica com a cultura. É uma satisfação muito grande saber que esse trabalho pedagógico está sendo mostrado aqui hoje e será mostrado ao longo desses dias, pelos nossos alunos. Parabéns a essa rede de ensino”. A coordenadora da mostra e chefe do DPPF, Iêda Loureiro, também destacou o empenho de todos os envolvidos, para mais uma edição das mostras: “É um privilégio a rede ter esse momento e poder compartilhar isso com a cidade. Agradecemos a todos que se envolveram, a toda a equipe da SE, às escolas, aos professores, ao CCBM e à Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)”. Após a abertura, professores se apresentaram ao público com números de contação de histórias, música, dança e teatro. Em seguida houve a abertura das galerias de arte, que abrigam os trabalhos de artes visuais e de literatura, de professores e alunos, que ficarão em exposição aberta ao público até 8 de novembro. Artes e movimentos Uma das professoras que confeccionou trabalho para a mostra foi Shirley Ferreira, da Escola Municipal (E.M.) “Dante Jaime Brochado”, do Bairro Santo Antônio: um quadro com o título “Perspectiva do Morro da Boiada”, feito com materiais aproveitados, chama atenção pela criatividade e pelo colorido. Fazendo referência ao antigo nome do Bairro Santo Antônio, Shirley realizou uma montagem em madeira, rolhas, giz de cera e guache, mostrando uma parte do bairro: “É o terceiro ano que exponho trabalhos na mostra. É uma forma de valorizar os professores, mostrar o que somos capazes de produzir e o quanto somos bons”. Antônio Carlos Lemos Ferreira, que dá aula na mesma escola, também prestigiou o evento e contribuiu para enriquecer a exposição com poesias e uma instalação. Seus poemas – “Santo Fujão 2” e “Morro da Boiada” – também fazem referência à localização da escola. Já a instalação “Parahyuna”, que pode ser vista no meio da galeria, é, segundo ele, “um poema concreto sobre o Rio Paraibuna, mostrando que o rio nasce limpo, desce serpenteando, curvilíneo e, após entrar em Juiz de Fora, segue sujo”. A proposta é fazer as pessoas refletirem sobre a necessidade de se cuidar do rio que corta a cidade. FOTO:Gil Velloso * Informações com Assessoria de Imprensa da SE pelo telefone 3690-8497.


Postado em: 35 @ 16:46 hs                                                              Compartilhe esta notícia

 22/10/2015 
35


Unidos pela arte – Professores e alunos participam das mostras da Secretaria de Educação que têm início nesta quinta-feira

Alunos e professores da rede municipal de ensino compartilham da experiência de serem artistas na 11ª Mostra Professor Também Faz Arte e na 7º Mostra Estudantil de Arte, que têm abertura conjunta nesta quinta-feira, 22, às 18h30, no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM), localizado na Avenida Getúlio Vargas, 200, Centro. Além da abertura das galerias do espaço, que estarão recheadas de trabalhos de artes visuais e de literatura, a solenidade que dará início às mostras também contará com apresentações dos docentes em números de dança, música e teatro. As Mostras de Arte são realizadas pela Secretaria de Educação (SE), por meio do Departamento de Planejamento Pedagógico e de Formação (DPPF), e a programação se estende até 8 de novembro, incluindo a visitação aberta ao público aos trabalhos expostos no CCBM. Este ano, a Mostra Estudantil de Arte está reunindo mais de 3.380 alunos, tanto na produção dos trabalhos de artes visuais como na grande programação organizada para a próxima semana, entre segunda e quinta-feira, das 8 às 10 horas e das 14 às 16 horas, no Centro Cultural Pró-Música, que pode ser conferida no link. Serão apresentações de música, contação de histórias, exibição de vídeos e teatro que têm a proposta de extrapolar os muros das escolas e compartilhar publicamente as experimentações artísticas produzidas nas unidades de ensino. O Centro Cultural Pró Música funciona na Avenida Rio Branco, 2.329, Centro. Já a Mostra Professor Também Faz Arte conta, este ano, com mais de 180 profissionais que, participando do evento, são provocados a construir uma docência mais inventiva e poética, entrelaçando arte e educação, renovando o contexto escolar e, ao mesmo tempo, produzindo e divulgando cultura. Inscrições abertas para o 6º Ciclo de Palestras Integrando a programação da “11ª Mostra Professor Também Faz Arte”, será realizado, entre 3 e 5 de novembro, o “6º Ciclo de Palestras: Docência e Experiência Estética”, no Centro de Formação do Professor (CFP). Os interessados em participar do ciclo de palestras podem efetuar sua inscrição através do link. A abertura acontecerá no dia 3, às 18h30. Durante todos os dias de evento, haverá performances de grupos locais e palestras que abordarão as articulações da docência e da experiência estética com a arte. A programação completa, com os nomes dos palestrantes e as apresentações, está no link de inscrição. O CPF se localiza na Avenida Getúlio Vargas, 200, Centro. * Informações com Assessoria de Imprensa da SE pelo telefone 3690-8497.


Postado em: 35 @ 17:57 hs                                                              Compartilhe esta notícia